Saiba mais sobre as evidências atuais sobre a modificação da microbiota intestinal por meio da utilização de probióticos específicos e suas aplicações clínicas.

Apesar das propriedades benéficas dos probióticos sobre a saúde serem conhecidas há anos, sua utilização não chegou a se estabelecer entre os médicos em sua prática clínica usual. Tudo isso, apesar do fato de existirem várias evidências científicas que sustentam seu importante papel na patogênese de inúmeras doenças.

Os probióticos são usados, tanto em crianças quanto em adultos, em diversas doenças e situações clínicas, com destaque para as condições alérgicas, inflamatórias e infecciosas.

No entanto, como já foi dito, seu uso não é totalmente incorporado na prática clínica de rotina devido aos poucos estudos randomizados e aos resultados inconclusivos de muitos deles.

Sabe-se que o entendimento sobre a especificidade de cepas é fundamental no contexto da saúde. Ou seja, os efeitos cientificamente comprovados, alcançados isoladamente por uma espécie bacteriana, não podem ser atribuídos a outras espécies ou mesmo a combinações de espécies, assim como a outros gêneros de microrganismos.

Por este motivo, tem sido exponencial o crescimento dos estudos com probióticos, quer sejam pesquisas na área básica ou estudos clínicos, nas mais diferentes especialidades médicas. Fato esse que tem gerado várias análises subsequentes, por meio de guias, revisões simples, revisões sistemáticas da literatura ou metanálises. Desta forma, existem atualmente várias cepas probióticas que apresentam um bom nível de evidência científica para seu uso na prática clínica.

Olhando por ponto de vista, deve-se considerar que diferentes probióticos empregam diferentes estratégias de ação e que nem todas as cepas apresentam a mesma resistência ou capacidade de colonização e, portanto, não possuem a mesma eficácia clínica, não sendo indicadas para as mesmas situações. O uso de probióticos deve se concentrar nas cepas e doses correspondentes do produto usado na situação para a qual ele mostrou benefício em estudos clínicos.

As evidências sobre o uso de probióticos é um dos temas que será apresentado e discutido durante o evento SIEXX SBEM 2019.

Não perca a oportunidade de trocar experiências com médicos de renome nesta área!!

 

Referências consultadas:

Barreto BA. Microbioma and probiotics: from gut to Mars. Braz J Otorhinolaryngol. 2018;84:1-2.

Barengolts E.GUT MICROBIOTA, PREBIOTICS, PROBIOTICS, AND SYNBIOTICS IN MANAGEMENT OF OBESITY AND PREDIABETES: REVIEW OF RANDOMIZED CONTROLLED TRIALS. Endocr Pract. 2016 ; 22(10):1224-1234. Epub 2016 Jul 13.

Markowiak PŚliżewska K. Effects of Probiotics, Prebiotics, and Synbiotics on Human Health. Nutrients. 2017 Sep 15;9(9). E1021.

Sáez-Lara MJRobles-Sanchez CRuiz-Ojeda FJPlaza-Diaz JGil A. Effects of Probiotics and Synbiotics on Obesity, Insulin Resistance Syndrome, Type 2 Diabetes and Non-Alcoholic Fatty Liver Disease: A Review of Human Clinical Trials.. Int J Mol Sci. 2016 Jun 13;17(6). pii: E928.